20 outubro 2015

Roteiro de cinco dias em Barra Grande na Bahia, com criança

Mais um relato da tag  Viajando com os Leitores. Quem participa hoje é a querida Ana Carolina Lima, que viajou para Barra Grande na Bahia, com a família. Barra Grande é um destino, ainda pouco explorado (sorte nossa!), tranquilo e paradisíaco. Obrigada Ana Carolina, por compartilhar com a gente seu diário de bordo!
"Todo ano nas férias escolhemos um lugar novo para visitar. Esse ano, por conta da alta do dólar/euro não foi possível ir para fora do Brasil. Começamos a pensar na possibilidade então de tirar férias mesmo, daquelas que se esquece do tempo, da hora, de roteiro, imaginamos um lugar tranquilo, sem agito, onde a natureza fosse o principal lazer, e ai conversando com alguns amigos apareceu o destino perfeito: Barra Grande, na Península de Maraú, a apenas 2hrs de carro de Ilhéus.
E qual seria a data perfeita? Após ler MUITO sobre a Península e Barra Grande, descobrimos que a melhor época era a partir de setembro, em lua cheia! Então brinco que não escolhemos a data, a data que nos escolheu!
Nossa viagem foi longa:  3 horas Búzios x Rio + 17horas Rio x SP x Ilhéus x Barra Grande, que deveriam ser apenas 5 hrs, mas tivemos problemas com o voo, e chegamos 1 dia após o previsto. No fim, deu tudo certo.
Contratamos um transfer para nos buscar em Ilhéus, e em 1hr50min estávamos em Camamu.  Lá pegamos uma lancha com a Camamu Adventure (R$ 30,00 por pessoa) e em 40 minutos estávamos em Barra Grande. Logo no desembarque da lancha, carregadores ficam a espera dos turistas com carrinhos para ajudar a carregar a bagagem (é cobrado R$ 5,00). Nossa pousada era a 1 minuto do píer, caminhando pela praia.

A pousada: Ficamos hospedados na Pousada Denada, uma fofíssima pousada de 08 bangalôs beirando o mar, com piscina, restaurante e um jardim lindíssimo. Escolhemos ela por eliminação: 1° por estar mega central, 2° em frente a praia, 3° por ter piscina e restaurante a nossa disposição. Quem viaja com criança sabe que as vezes não da para sair e ir comer após um longo dia de praia, e não deu outra, o pequeno apagava quando chegava dos passeios. Ficamos no bangalô de 02 andares. No inicio fiquei meio preocupada: escada, varanda, mas foi bem tranquilo. Quando ele dormia a tarde eu ficava com o marido na varanda ou primeiro andar, e se ele se mexesse no berço, escutávamos. Foi ótimo pois podíamos conversar sem medo da criança acordar. Para reservar clique aqui.
Roteiro:
1° dia: Cansados de toda a viagem preferimos descansar pela pousada, curtindo uma piscina e almoçando no próprio restaurante. Era tão gostoso que não dava nem vontade de ir comer na rua.
Após o descanso, fomos no centrinho (menos de 4 minutos a pé) mas ainda estava fechado.  Algumas poucas lojas abrem as 09:00, e outras só as 17hrs. E ambas fecham entre 20:00 21:00 (fora de temporada).
De lá, caminhamos até a Ponta do Mutá, para assistir o famoso por do sol. Foram 15 minutos de caminhada tranquila beirando o mar, entre coqueiros e água quentinha. A maré estava baixando, uma piscina natural se formava e o pequeno aproveitou muito! 
O sol baixava e a sensação era de gratidão. Que paz, que astral, que paisagem! No bar da praia um grupo de músicos tocava um reggae super gostoso. Tudo estava perfeito.Voltamos caminhando e a a lua que apareceu, linda e cheia, refletindo os coqueiros, como uma combinação perfeita.
Chegamos na pousada, o pequeno tirou um cochilo e fomos conhecer o centrinho da vila. No “Boulevard da Barra" , não se pode passar com carro, quadris ou bikes. Já imagina a delicia que é deixar seu filho solto?
A primeira Praça é a da Igreja, tomada por crianças que praticam alguma atividade no centrinho cultural fofo e na biblioteca pública. Através da janelinha assistimos aula de kung fu, batuque e capoeira. Elas ficam soltas pela praça, brincando, cantando, correndo, como criança deve ser, e de pés descalços. Uma coisa que reparei muito é que é tudo muito limpo, não se vê caco de vidro no chão ( que é areia por todas as ruas), não se vê papel, lata, nada no chão. Os moradores são os maiores protetores daquele lugar, eles que colocam placas, avisos,o que é permitido e proibido. Enfim, nessa primeira praça é possível encontrar alguns restaurantes, lojinhas, um pequeno Empório Orgânico com açaí natural e 2 pequenos mercados.
Na segunda praça, a Praça da Tainha, estava rolando uma musica super gostosa. A praça é toda com grama, e os restaurantes dispõe a mesa no meio da praça, todas juntas, em harmonia.
2° dia: Andamos para a esquerda da pousada, onde em 20 min estávamos chegando ao Bar da Rô. A maré estava tão baixa que se formavam enormes bancos de areia do lado da praia, e do lado do rio Carapitangui.
#Dica: não fomos de chinelo, mas é melhor levar. A faixa de areia que andamos entre a praia e o rio era grande e estava bem quente
Ficamos no famoso Bar da Rô, mergulhamos no rio, vimos a maré subir, tomamos água de coco. O pequeno quis dormir e eles gentilmente nos ofereceram uma esteira e varias almofadas para ele descansar. Apesar de ter ouvido falar das maravilhas gastronomias, não comemos por la, pois o café da manhã foi tão bom, que nem sentimos fome.  Marido e filho comeram uma porção infantil juntos ( sim, marido come menos que o filho) vieram 2 files de frango grelhado com arroz e feijão, que pelo que provei estava delicioso.
Deixamos os pertences com eles e fomos andando até o encontro do rio com o mar, que na verdade nem é rio, é só considerado, mas é um “desemboque” de água salgada que em forma de rio que ficou assim chamado. Cansados, decidimos pedir um taxi para voltarmos a pousada. O trajeto não durou 7 minutos e o valor é tabelado, R$ 25,00
O pequeno ficou tão cansado que dormiu a tarde toda, então assistimos o por do sol da pousada mesmo. Passamos repelente, e descemos com o carrinho, deitamos na espreguiçadeira, tomamos uma caipirinha, e esperamos o espetáculo começar.
3° dia: Alugamos uma escuna só para nós, mas na verdade queríamos mesmo era um passeio de lancha, que seria mais rápido. Todos os passeios normais são com 4hrs / 4:30hr de duração. Achei que meu pequeno arteiro não iria aguentar ficar tanto tempo no barco, mesmo sabendo que seriam muitas paradas. Sabia que não era para nós. A lancha sairia em R$ 600,00 pois não tinha com quem dividir (se fossem 02 casais por exemplo vale super a pena). Enfim, a escuna saiu por R$ 300,00 ( só curtimos pagar esse passeio pois a lancha que iriamos pagar 150 ida e 150 volta não foi necessária). Acabou que o passeio foi quase 4hrs, mas com a vantagem de ter um espação para o pequeno brincar, e correr, e o tempo que queríamos em cada parada.
O trajeto foi curto: 1° parada na Ilha da Pedra Furada (cobram uma entrada de R$ 5,00 por pessoa, criança não paga). Lá dentro tem um “guardião” que foi contando um pouco sobre a ilha durante o trajeto. Há uma área que possui argila e marido e filho “cairam dentro”. Ficamos cerca de 30 min na ilha.
Depois passamos pela Ilha Grande, onde não paramos pois a maré estava bem baixa, Ilha Goió e Ilha do Sapinho, que na verdade é um restaurante bem caseiro, onde comemos um vermelho frito delicioso. A ultima parada foi no Campinho. O passeio foi super gostoso, tranquilo, o tempo estava meio nublado mas quente. O pequeno até dormiu em uma parte do passeio.
4° dia: Alugamos um quadriciclo (R$ 180,00 2 dias) e seguimos para Taipu de Fora. A  pousada nos forneceu um mapa, e foi bem simples chegar até lá. Colocamos uns R$17,00  de gasolina, o que encheu o tanque para os 02 dias de passeio.
A estrada para Taipu de Fora é bemmm esburacada, mas da para andar!! No primeiro dia levamos + - 30 minutos para chegar lá, e no segundo levamos 20 min. Chegando lá nos instalamos no Bar das Meninas, que fica logo no inicio da barreira de corais em frente as piscinas naturais. Seguindo para a direita se chega até o outro ponto da piscina. Lá há pontos de aluguel de mascaras e pranchas de stand up. O lugar é incrivelmente lindo, e a água claríssima, com muuuuuuuitos peixinhos coloridos. Lindo demais. A praia é extensa e fora da barreira de corais tem muitas ondas. 
Não esqueça de ver o horário da maré baixa pois se for fora do horário não verá a piscina. Ela desaparece na maré cheia. Almoçamos no restaurante, a refeição para 01 pessoa serve tranquilamente 02 pessoas. A comida é muito boa! De la seguimos para a Lagoa Azul, linda de água clara ( porem não azul) quentinha e doce, com vista para o farol. Se chega por la por uma trilha (chamada por mim de “deserto do saara” porque era sol direto) e com partes beirando a praia, +- 20 min desde Taipu de Fora.
Lá tem uma tendinha com mesas e bancos, fizemos uma parada para o lanchinho (que sempre levamos na mochila),  e de la partimos para a Lagoa do Cassange. O trajeto é melhor, pois é mais arborizado, menos sol, mais sombra, + - 15min de trilha, parte beirando a praia do Cassange.  Chegamos na lagoa,  e achei o visual incrível, um gramadão com inúmeros coqueiros, do lado esquerdo a praia, do direito a lagoa. Lá tem uma casa que serve bebida e refeição/petiscos, com cadeiras para sentar e até uma casinha de brincar para as crianças. Tem um chuveirão também para quem não quiser entrar na lagoa ou mar.
De lá fomos para o farol esperar pelo por do sol. O visual é incrível, e pode se ver toda a península. É o mais belo por do sol da cidade.
5° dia: Alugamos novamente o quadricículo e voltamos para Taipu de Fora. Realmente aquelas piscinas são um sonho. Logo seguimos para a Praia da Bombassa, mas chegamos por uma parte mais deserta, e estávamos com fome, pequeno dormindo, nem paramos. No meio do caminho pedimos informação, e nos indicaram o Muqueca Bar, na praia dos Três Coqueiros. Fica a uns 7 minutos da Bombassa. La sentamos e pedimos moqueca e aipim frito. O preço lá é supreendente perto de todos os outros, é preço de Bahia mesmo! A praia é um charme: partes com onda (e surpreendentemente gelada) e piscinas naturais na parte da barreira de corais. E como toda praia da Bahia, extensa areia e muitos coqueiros. 
Praia de Taipu de Fora
Praia de Bombassa
Peixinhos na Praia de Três Coqueiros
Conhecemos um casal em Taipu de Fora e eles foram caminhando na volta por todas essas praias até o centrinho da vila. Com o pequeno não quis arriscar, e o quadri foi a melhor opção. Mas com certeza se fosse só eu e maridão iria arriscar  um dia pelo menos a fazer essa super caminhada. Após essa praia seguimos em direção a Ponta do Mutá. A água ainda estava baixa e formava deliciosas e quentinhas piscinas naturais. O Bar Macunaíma estava fechado, ficamos la pela frente.
O mais gostoso de ir essa época é que a cidade está com movimento, mas não fica cheia, e a praia era só nossa.
Algumas dicas que não sabia antes de ir:
- Na bagagem: Menos é mais. Leve em consideração que ao chegar do passeio você irá lavar as roupas de praia no chuveiro e ela secará rapidinho na varanda. A rua é igual de Jericoacoara, areia, às vezes areia fofa. Se o seu carrinho de bebe não for aquele com rodonas, melhor nem levar. Levei o meu Mac Laren e me arrependi,  pois não conseguíamos andar com ele na rua.
- Indispensável: Protetor solar/bloqueador (usamos fator 60), Hipoglós (usamos como protetor), e repelente (trouxemos também pomada pós picada de mosquito). Fechar portas e janelas depois do por do sol. A mosquitada lá é grande mas não incomodou.
- Restaurantes e Bares de praia recomendados: se for viajar fora de temporada como nós, verifique se o restaurante indicado estará aberto nos dias que estiver pela cidade. Pegamos 02 fechados e 01 não tinha algumas coisas do cardápio.
- Lanterna: As ruas próximas ao centrinho de comercio tem iluminação, não precisamos usar lanterna.
- Lanches: Sempre levar na mochila uns lanchinhos principalmente se for ficar o dia todo fora da pousada, pois ha pouquissimos mercadinhos e opções  para lanches rápidos.
- Horário: Tente se programar para chegar a  Taipu de Fora antes das 10hrs, pois a partir desse horário chegam as excursões.
Essa foi a viagem que mais conseguimos aproveitar e relaxar junto ao pequeno. Realmente é um super destino para se viajar em família, as crianças curtem demaaaaaaais! Obrigada Francine pela oportunidade de mostrar um pouco dessa nossas férias e poder passar a nossa impressão de uma cidade pouco conhecida. Beijos"
Ana Carolina, eu que agradeço esse relato tão minucioso. Já fiquei morrendo de vontade de voltar a essa região da Bahia! 
Para ler todos os relatos da tag Viajando com os Leitores, clique aqui. Se você tem uma viagem para compartilhar com a gente, entre em contato por email. Será um prazer publicá-la!

11 comentários:

  1. que delicia de viagem! Preciso de uma ajudinha! Vcs acham ( Ana Carolina e Francine) que é necessario alugar carro? Estou pensando em me hospedar por 3 dias em taipu de fora para curtir as piscinas naturais. Como vou em janeiro, altissima temporada, fico com receio de depender de taxi, etc e o preço ser exorbitante , pois pelos relatos em taipu não tem nada alem das piscinas... queremos descansar mesmo, vou ficar 10 dias por lá e reservei 3 para ficar somente em taipu. mas não sei se é uma boa ideia, visto que também vou querer conhecer outros lugares proximos e terei que alugar quadriciclo ou taxi e só consigo no centrinho de Barra Grande certo? HELP! parabéns pelo relato! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andréia,
      Quando eu fui, ficamos hospedados em Itacaré, sem carro.
      Fomos para Taipu de Fora de Land Rover, com um passeio contratado e foi muito bacana. Taipu é super pequeno. Eu acho que não precisaria de carro não.
      Vamos ver o que a Ana Carolina te diz!!
      beijos,

      Excluir
  2. Ola Andréia! Boa noite!! Pelo pouco que vi, eu ficaria em taipu se o hotel tivesse algum restaurante ( p jantar por exemplo) la vi alguns mercadinhos e ate lojinhas na rua que da para a praia, mas n tem um centrinho. Com quadri vc consegue ir e voltar p barra grande sem problemas, eu escutei wue carro la so quem entende bem pq atola muito ou tem q ser aqueles altos. Mas desde taipu consegue conhecer outras prais apenas caminhando p esquerda ou direita da praia de taiipu.

    ResponderExcluir
  3. Oi gente!!!

    Venho aqui me "intrometer" e dá umas dicas sobre Barra Grande/Taipus. Há 12 anos elegemos esse pedacinho da Bahia como sendo o nosso paraíso e ficamos cerca de 01 mês. Vamos lá...

    No período que vai das festas de fim de ano até o carnaval, o sentido das ruas mudam e com isso o trânsito fica caótico. Isso vale para Barra Grande, estrada de areia que leva à Taipus e imediações. Já ficamos 01 mês inteiro em Taipus de Fora (casa de amigos) e apesar de todo o conforto da casa e dessa ser à beira do mar, decidimos que Barra Grande era a melhor pedida, pois quando cai a noite não há muito a se fazer em Taipus. E olha que nem somos de badalação... Quanto aos atoleiros, mudou muito de 2000 para cá. Hoje as estradas estão bem melhores e sempre nesse período costuma-se passar máquinas para melhorar as estradas. Em janeiro os valores de pousadas e casas em Barra /Taipus, atingem valores estratosféricos. Para vc sentir, em baixa estação aluga-se casa com 03 quartos, ar, cozinha equipada, etc, muitas à beira da praia, por cerca de R$ 3.000,00 (mensal). Mas com procura chega a alugar casas super confortáveis e a cerca de 200 mt da praia por R$ 1.000,00 e até menos. Em TODA pousada, negociei valores (ligue e negocie). Sempre baixam!!! Nessa época todos os barzinhos e restaurantes abrem (muitos só operam nesse período) e nem todos aceitam cartão (caixa eletrônico só em Camamu). A vila lota e fica tudo um pouco caótico. Só vamos na baixa estação. As piscinas naturais são de horário e sempre e no dia anterior a ida, veja a tábua de marés (toda pousada tem ou te informa) e quanto mais negativa for a maré, melhor). Passado o horário, tchau piscinas naturais. Já em Barra Grande, vc terá um piscinão natural, com águas calmas, quentinha e muitas vezes, translúcida (já mergulhei há cerca de 5 metros da margem com tartaruga. Aliás, tem umas três a morar por lá e sempre dão o ar da graça no fim da tarde, cair da noite). Barra Grande é super tranquilo e costumo ficar no pier pescando sozinha (molhando o anzol) até tarde (marido chega de mergulho e vamos juntos ao flat). Se vc quer meu conselho, fique em Barra Grande e pegue a jardineira (carro que leva cerca de 10 turistas), taxi ou mesmo alugue quadricículo, sempre que quiser ir para Taipus (lá estacionar carro em alta estação é quase impossível e disputa-se com ônibus, vans de agência de turismo). Mas tente contatar e reserva antes o quadricículo (por ser alta estação). Convém levar bastante repelente e até aparelhos elétricos (como ficamos em flat, levo sempre dois - um para a suite e outro na sala). Não levo uma picada e olha que tem varanda no quarto e na sala. Nesse período do ano tenha mais cuidados com seus pertences. Mas somente nesse período. Já vi do chinelo à bolsa de praia deixados pendurados em galhos de árvores por quem os achou. E sempre, sempre barganhe!!! Do peixe que vão lhe servir (sugiro que peça para ver antes de ser assado, cozido), ao passeio, locação de quadricículo, etc. P.S: Não deixe, de maneira nenhuma, de ir a dois restaurantes: Papagaio (fale com o Olivier ou com sua esposa, Daniela). O filé de lá e acompanhamos (sempre 03 e à sua escolha, dentre os favoritos o ratatouille e as batatas com ervas, purê de banana da terra. Nem peço arroz, rsss) são de comer de joelhos e servem 03 pessoas transquilamente, E olha que nem estou mencionando os peixes, caldinho de sururu... E o Muqueca (Praia dos Três Coqueiros - Ponta do Mutá). Fale com o dono: Seu Muqueca, rssss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rebeca,

      Obrigada por compartilhar suas dicas!
      Quando quiser entre em contato para participar da sessão Viajando com os Leitores!!!
      beijos

      Excluir
    2. Oi Francine, desculpe o "tamanhão" que ficou meu post, rssss.

      Excluir
    3. Oi Francine, desculpe o "tamanhão" que ficou meu post, rssss.

      Excluir
  4. Olá Francine e Rebeca Bom dia, pesquisando um local para visitar com a esposa me interessei muito por Barra Grande pretendo ficar por três dias e li com bastante atenção e aguçou mais ainda o meu interesse de conhecer este paraíso, mas tenho uma grande dúvida estarei de férias em julho e tenho receio de não está fazendo calor, e também sobre o passeio a barco pelas ilhas por favor me orientem sobre estas dicas.

    Agradeço a vocês

    Marco Aurélio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marco,

      Na Bahia faz calor o ano inteiro.
      Não entendi sua pergunta referente aos passeios de barco. A maioria dos passeios são terrestres, para conhecer as praias e lagoas.

      Abraços,

      Excluir
  5. Olá a todos!!!
    Vi algumas fotos de Taipu de fora e me encantei...Estou começando a planejar ir pra lá no próximo Mês de (Agosto) durante minhas férias. Sou de SP, vou com minha namorada. Estava olhando alguns foruns, comentários a respeito e achei o de vcs. Se puderem contribuir com algumas dicas, agradeceria.
    Onde sugerem que seja a melhor base pra ficar e conhecer o melhor da península ?
    Vou sair do Aeroporto de Ilheus pra alguma pousada ou hotel, o que sugerem ?
    Alugar carro é uma escolha boa, ou melhor ter um suporte de turismo com alguma agencia da região ? 3 Dias serião suficientes ? Não sei ao certo se agosto é um mês de chuvas por lá ... Bom, fiquem a vontade se quiserem colaborar com alguma dica...Abraço Márcio

    ResponderExcluir
  6. Olá, gostaria de uma ajuda, estou planejando minha viagem e setembor para barra grande, mas não sei como faço para ir do aeroporto de Ilheus para Camamu para pegar a lancha para Barra Grande, pois vi que tem horário para as saídas. Vocês tem alguma dica de transfer que posso contratar para me pegar no aeroporto?
    Obrigado
    Marco Regadas

    ResponderExcluir

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Pesquise aqui qualquer conteúdo do Viagem que Sonhamos, tecle enter